Archive for the ‘Tech’ Category

Apple’s Notebook Event: 14 Out ’08

Outubro 16, 2008

Realizou-se na terça feira mais um evento da Apple onde o tio Steve e os compinchas (Tim Cook e Jonathan Ive) apresentaram novos produtos, como já a esta altura do campeonato já toda a gente a ler este post já deve saber. Desta vez o objecto das reformas foi toda a gama de portáteis e os Cinema Displays, que eram um dos produtos de toda a gama Apple que mais tempo tinham de mercado sem alterações.

Rumores

Antes de mandar a posta de pescada sobre os produtos apresentados, gostava de falar sobre os rumores sobre os novos produtos que sempre se intensificam quando um evento da Apple está perto.

Será que sou só eu que gosto cada vez menos desta onda de rumores e das proporções que está a atingir?

Cada vez mais estes rumores são mais detalhados e já começam a roçar a espionagem industrial. Desta vez saíram ao público fotografias das novas estruturas dos Macbooks e Macbook Pros e detalhes sobre o novo processo de fabrico antes da apresentação oficial.

Isto para além de ser prejudicial para a Apple também é, do meu ponto de vista, prejudicial para nós público.

A piada que estes eventos da Apple, mais do que qualquer outra empresa actualmente, é uma pessoa ficar surpreendida com as novidades apresentadas. Lendo todos estes rumores ficamos a saber a maior parte das novidades do evento, perdendo este a maior parte do interesse.

Irei fazer a experiência de não ler nenhum destes rumores para a próxima Macworld para ver se a experiência volta ao que era antigamente, quando os únicos rumores eram baseados nos ciclos normais de vida dos produtos e não havia tantos leaks de detalhes.

Novidades

Quanto às novidades, talvez mais importante que a renovação estética e funcional dos portáteis foi a apresentação do novo processo de fabrico dos portáteis em aluminio estreado no Macbook Air apresentado no principio do ano e aperfeiçoado nos novos Macbook e Macbook Pro.

Resumidamente, este processo de fabrico consiste em escavar um paralelepípedo de aluminio até ficar com a forma pretendida em vez de ir juntando várias peças pequenas numa estrutura. Isto permite que a estrutura seja mais resistente. Para maiores detalhes recomendo que vejam o video disponibilizado no site da Apple.

Depois da apresentação do processo de fabrico, foram apresentados os novos Macbook e Macbook Pro.

Dado que toda a gente já deve saber as novidades, e se não o sabem sempre podem ir ver no site da Apple, vou só destacar o que acho mais interessante dos novos produtos.

Começando pelo que têm em comum:

  • Processo de fabrico: Ao que parece consegue-se uma maior rigidez com menor peso;
  • Novo chipset com placa gráfica integrada (9400M): Enorme aumento do poder de processamento gráfico em comparação com as antigas placas gráficas integradas Intel;
  • Novo Trackpad: Sem botão separado e feito de vidro. Eu pouco uso o botão do meu, só mesmo para fazer drag de coisas, dado que para clicks e dual-clicks uso o simples tap. Tenho que testar os novos gestures e o feel do trackpad para emitir uma melhor opinião;
  • Mini-DisplayPort: Mudança para um novo standard de conector de video;
  • Novo look: Passagem do look iPhone para a gama de portáteis depois de já ter sido implementado nos iMacs. Só desgosto da cor preta no teclado. Quanto ao preto à volta do ecrã fica deveras bem.
  • No Macbook o que mais se destaca para além do referido anteriormente é a ausência de Firewire, algo que me é indiferente, mas para muitas pessoas não é. Já quanto ao Macbook Pro destacam-se as duas placas gráficas. Foi incluida, para além da gráfica integrada no chipset, uma 9600M GT. Dá para escolher entre uma ou outra o que afecta também o tempo de vida da bateria. Pena que não dê para fazer Hybrid SLI das duas gráficas (para quando estivesse ligado à corrente a jogar por exemplo.

    Algo que não me agrada muito é a quase não diferenciação entre o Macbook normal e o Pro. Antes a diferença era grande. Só o facto de ser em aluminio e o outro em plástico era um factor que levava muita gente a comprar o Pro. Agora as únicas diferenças são a placa gráfica, o tamanho do monitor e a inclusão do Firewire (a velocidade do processador e o tamanho do disco também é ligeiramente maior, mas a relevância é menor).

    Como ja tinha referido anteriormente, foi finalmente renovado o Cinema Display, que agora se apresenta com a nova linguagem estética da Apple, com LED backlighting e Mini Display-Port. Pena que não traga adaptador pra DVI, o que obriga a ter um computador com Display Port. De génio é a inclusão de MagSafe (e a inclusão de ligação USB e hub interno de 3 portas), o que torna o monitor numa “dock” para os novos portáteis.

    E agora na Macworld?

    A pergunta agora é o que é que a Apple vai apresentar na Macworld já daqui a 3 meses. Algo lógico é que apresente novos produtos baseados na nova arquitectura de processadores Nehalem da Intel. Pelo que devemos ver novos Mac Pros e novos iMacs. No caso do iMac também é lógico que receba as novas placas gráficas da Nvidia em substituição das ATI actuais.

    Algo que me interessaria pessoalmente seria uma renovação do Mac Mini, dado que estou necessitado dum Home Server / Media Center a para ser posto na sala de estar e estar ligado à televisão.

    Mas com os portáteis e os Cinema Displays de fora do lineup a apresentar na MacWorld ainda sobra espaço para falar de mais coisas.

    Possivelmente serão aprofundados detalhes sobre o Snow Leopard, do iLife ’09 e do iWork ’09.

    Claro que toda a gente anda a falar dum possível Tablet, de tal maneira que parece que é o Santo Graal, mas sinceramente não me interessa nem um bocadinho.

    Algo que sim me interessava seria um Netbook. Até vos dou specs se quiserem: Dual-Core Intel Atom 1.6, 2Gb Ram, 16Gb SSD, Ecrã 10″, OS X e o design do Macbook Air. Isto com auto-sync com o Mac de casa (Dropbox style). Mas é algo que infelizmente não devemos ver em Janeiro.

    Conclusão

    Resumindo, e para não tornar este post ainda mais comprido, a Apple renovou a linha de portáteis para os voltar a tornar competitivos oferecendo agora um portátil com qualidade de construção premium (Macbook) ao público que não dispõe de €2000.

    Por muito tentador que seja o novo Macbook Pro, o meu de Janeiro de 2007 (2.16Ghz, 3Gb Ram, Radeon 1600 e disco de 120Gb) ainda está ai para as curvas, pelo a conclusão é que é tudo muito giro, mas não é para mim.

    Anúncios

    No need for words

    Outubro 5, 2008

    P

    WWDC 2008: my take

    Junho 11, 2008

    Depois da poeira dos anúncios da WWDC assentar (e de ter feito um teste esta manhã), chegou a altura de dar a minha opinião sobre a Keynote.

    O seguimento da Keynote foi feito na sala de IRC que o David Rodrigues criou, no MacRumorsLive, no Engadget e num stream sonoro que foi disponibilizado online no site Ustream. A experiência não foi a melhor. A todos os que estávamos a comentar a keynote no canal de IRC, pareceu-nos que estivemos mais de uma hora a apanhar uma seca e que a parte interessante só foram os últimos 20 minutos, onde foi apresentado o iPhone 3G. Não podia-mos estar mais equivocados, se tiverem tempo, vejam a Keynote em video. Acreditem que vão gostar de ver os programas que foram demonstrados, que dão um cheirinho do que vamos poder ver na AppStore no seu lançamento em Setembro.

    Download video: 1.18Gb – Link

    Acreditando que já todos sabem o que foi apresentado na Keynote, ficam de seguida as minhas opiniões sobre os diversos tópicos abordados. Se não acompanharam a keynote, deixarei os links para cada produto para poderem explorar posteriormente.

    iPhonehttp://www.apple.com/iphone/

    O foco principal da Keynote foi a apresentação das novas funcionalidades do iPhone.

    Destas novas funcionalidades, destaco:

    – O suporte para a plataforma da Microsoft Exchange 2007. Esta plataforma é basicamente um standard no mundo empresarial, e o que a Apple fez com a adopção desta plataforma foi viabilizar a entrada do iPhone no mundo empresarial.

    – A inclusão do protocolo 802.1X, o que permitirá aos utilizadores de iPhones e iPod Touch o acesso às redes privadas das empresas e das universidades (eudoram no IST por exemplo funciona sobre este protocolo).

    – A solução da Apple para o problema das background apps. À primeira vista parece uma solução muito interessante. Deixar o processamento de pedidos nas mãos dos servidores dos developers e mandar uma notificação a um iPhone a dizer que tem um evento à espera numa aplicação que não está a correr. O utilizador é avisado, e quando lançar a aplicação, recebe a informação toda vinda dos servidores dos developers. Resta ver é a implementação dos clientes de instant messaging, por exemplo, vão lidar com o sistema.

    – Sistema de reconhecimento de caracteres asiáticos. Não que me interesse, mas sempre é um bom exemplo do que se pode fazer com o touchscreen do iPhone.

    – 3G, para muitos era o que faltava ao iPhone para ser o telemóvel perfeito. Estes já não se podem queixar.

    – A-GPS. Algo não essencial para mim. Mas se vem incluido nos $199 que custa o iPhone não me posso queixar.

    Entretanto já foram mostrados previews de programas, dos quais destaco o preview da ArsTechnica da versão para iPhone do NetNewsWire (link está no post anterior). Cheira-me que me vai dar muito jeito para que as aulas passem mais depressa.

    Resta saber se será permitido enviar apps para o iPhone gratuitamente se, por exemplo, um cliente comprou a versão desktop dum programa. Isto é, por exemplo, tendo eu comprado o MarsEdit e se hipotéticamente o Daniel Jalkut lançasse uma versão para iPhone do programa, eu podia ir buscar gratuitamente essa aplicação, mas quem não tivesse a versão Desktop teria que pagar um valor x pela mesma.

    Está confirmado que vamos ter o iPhone cá em Portugal dia 11 de Julho, isto claro se os camionistas acabarem com os piquetes de greve até lá, resta saber o preço em Euros e os preços dos tarifários. Ao câmbio actual, a versão de 8Gb ficaria por €127 e as versões de 16Gb a €192. E o tio Steve disse que iria custar “a maximum of $199” na maioria dos países.

    MobileMehttp://www.apple.com/mobileme/ www.me.com

    Não sou utilizador nem da plataforma .mac, nem o sou do Google Calendar por exemplo. Mas se vier a comprar um iPhone irei com a maior das certezas experimentar o serviço já que tem um trial time de 60 dias, o que deve dar para ver as capacidades do mesmo. Depois verei se valerá a pena pagar os $99 anuais. Pelo que vi na Keynote, tem muito potencial.

    10.6 Snow Leopardhttp://www.apple.com/macosx/snowleopard/

    Tendo em conta que o que nos foi dado a saber deste nova versão do OS X, tenho três observações a fazer.

    A concorrência é tão boa que a Apple se pode dar ao luxo de congelar as user features, lembrem-se que foram mais de 300 para o Leopard (10.5), para se poderem concentrar em optimizar o código do sistema operativo, prepara-lo para o futuro e introduzir novas frameworks internas. Destas frameworks internas, uma é dedicada ao processamento (paralelo em) multi-core (GrandCentral) e a outra para utilizar o poder de processamento das placas gráficas em aplicações “não gráficas” (OpenCL), algo que a nVidia também está a desenvolver com a sua plataforma CUDA.

    Como pagaram o licenciamento do Exchange para poder utilizar o ActiveSync, fazem também o favor de o incluir no Mac OS X (Desktop) e logo ai atraem mais empresas à plataforma Mac.

    Estamos a um ano de distância do seu lançamento, e resta ver o preço que lhe vão dar. Com as features que conhecemos até agora, não sei até que ponto é que o utilizador comum, a quem pouco lhe interessa o Grand Central e o OpenCL, estará disposto a dar os $129 do costume.

    A versão Server vai trazer suporte para o tão esperado sistema de ficheiros da SUN, ZFS. A questão que se coloca é: “Porque é que só a versão Server vai ter suporte para o ZFS?”

    Triplo Expresso

    Maio 21, 2008

    Continuando no tema do post anterior, RSS Feeds, foi posto no ar o primeiro episódio (ou segundo se forem informáticos e começarem a contar no Episódio 0, o episódio piloto) do TripoExpresso, um Podcast nacional sobre tecnologia. Este episódio tem como tema principal as feeds RSS e a presença online dos portugueses.

    Quanto aos RSS, desde que comecei a utilizar os leitores RSS (Vienna no meu caso, já que o NetNewsWire ainda era pago), que não quero outra coisa. Básicamente consigo percorrer a maior parte dos sites (e muitos mais) muito mais depressa do que anteriormente, em que a rotina consistia em percorrer os favoritos. Se ainda não experimentaram ler as vossas noticias em RSS, experimentem por exemplo no Google Reader. Posteriormente irei por online o meu OMPL.

    Quanto ao tema da presença online, creio que a visão de que a maior parte das pessoas têm um blog ou site pessoal não é de todo acertada. Por várias razões. Uma grande parte das pessoas que têm acesso à internet, só a usa para ver e enviar e-mails, procurar alguma coisa online (e usam o Sapo, nem sabem o que é o google) e isto já o fazem a custo. Depois outra grande fatia de gente são os gamers que preferem utilizar o seu “tempo de antena” para jogar jogos competitivamente sejam eles First Person Shooters, Real Time Strategy, MMORPG’s, etc. E depois ainda há outra fatia de gente, em que alguns deles são bloguers também, que preferem utilizar forums de discussão para a troca de ideias (veja-se a Techzone como o melhor exemplo de fórum tecnológico nacional). Outro exemplo sou eu, que só abri este blog há pouco tempo e ando online diariamente há pelo menos 10 anos e fazia parte dos dois últimos grupos de pessoas que descrevi, gamer e fóruns.

    TriploExpresso – http://www.triploexpresso.com, por:

  • David Rodrigues – http://sixhat.net
  • Maria João Valente – http://mac2.wordpress.com
  • Phil – http://iphil.blogs.sapo.pt
  • Feed RSS

    Maio 20, 2008

    Dado que não consigo saber as estatísticas de utilização da Feed RSS gerada automaticamente pelo WordPress, criei uma feed no Feedburner, que por um lado me permite ver o número de subscritores, e pelo outro me permite a portabilidade da feed se algum dia mudar o blog para um dominio meu (algo que está em consideração).

    Embora a feed do WordPress continue a funcionar, podem alterar a feed deste blog nos vossos RSS Readers para: http://feeds.feedburner.com/TheFireFreak.

    Synergy

    Maio 19, 2008

    9E204844-5FF6-4787-B848-F8F36D529BA8.jpg

    O trabalho na faculdade não me tem deixado escrever os posts que tenho planeados, mas desta vez tenho mesmo que partilhar este programa que instalei este fim de semana e facilitou imenso o meu trabalho em casa.

    Quem me acompanha no twitter (o único sitio onde tenho estado relativamente activo), deve ter visto que eu andava à procura de uma solução KVM simples. Os KVM Switches são uma peça de hardware que permitem usar um rato e um teclado para controlar vários computadores. O meu objectivo era ligar o rato e teclado do meu desktop Vista também ao Macbook Pro.

    De algum modo li sobre um programa chamado Synergy que permitia fazer exactamente isso.

    O seu funcionamento é bastante simples. Cada PC está ligado a um (ou mais) monitor(es) mas só se controlam por um rato e um teclado. É necessário os computadores estarem em rede e um deles correr o servidor Synergy. Depois nos outros computadores corre-se o cliente indicando o endereço do servidor.

    Depois de o servidor estar devidamente configurado basta passar com o ponteiro do rato para o monitor do lado (literalmente) e o ponteiro passa a funcionar no computador do lado e o teclado também.

    Um exemplo de um sistema feito a usar o Synergy pode ser visto nesta galeria do Flickr (via TUAW)

    Still Alive #1

    Abril 8, 2008

    Escrevo este post para vos dar um update do que se tem passado e que não me permite escrever mais no blog ou tanto como deveria.

    Por um lado este semestre estou bastante sobrecarregado no IST (estou a escrever este post numa aula teórica de Engenharia de Software). Tive uma entrega dum trabalho na semana passada e amanha tenho que entregar outro, o qual acabei de começar (prognostica-se uma noite em claro).

    Por outro lado ainda não resolvi a situação da ligação de Internet em casa. Faz esta semana um mês desde que submeti o contrato com a Vodafone, e supostamente seria esta semana que me activariam a ligação deles. Mas, segundo o e-mail que me enviaram, esta activação será adiada por uma semana porque a ONI portou o meu número para a Novis, e a Vodafone teve que pedir o número à Novis depois de a ONI lhes informar disso. Gostava de saber onde é que eu assinei e os deixei portar o número para outra empresa…

    A nova data de activação é dia 15/4. Vamos lá ver se cumprem.

    Doações do MacHeist II

    Março 15, 2008

    Como sabem comprei o segundo bundle do MacHeist. Este bundle custava $49 e parte desse dinheiro era destinado a caridade. Quem comprava o bundle podia decidir a que organização doar o dinheiro ou escolher dividir a doação pelas 10 instituições que foi o que fiz.

    A organização divulgou no inicio do mês de Fevereiro as doações que foram feitas a cada instituição, mas por algum motivo isso escapou-me do “radar” e só o vi hoje.

    Segue a lista das contribuições em dólares americanos.

    $65,508.74 — Save the Children

    $60,451.47 — Prevent Cancer Foundation

    $57,695.80 — World Wildlife Fund

    $54,731.51 — The Nature Conservancy

    $53,096.23 — Save Darfur

    $49,157.89 — AIDS Research Alliance

    $42,665.13 — Humane Society International

    $42,016.53 — Action Against Hunger

    $38,217.58 — Alliance for Climate Protection

    $36,459.12 — Direct Relief International

    —————————————————

    $500,000 — total

    Problemas Oni / Clix – Parte 2

    Março 14, 2008

    No seguimento do post que fiz sobre os problemas que tenho com a ONI / Clix, que me têm limitado de grande maneira o meu workflow diário, venho deixar um update à situação.

    Como disse no post anterior, quem me atendeu do serviço de apoio a clientes da Clix chegou à conclusão (da que eu duvido MUITO) que era o meu router que tinha problemas, um velhinho 3com OfficeConnect 812 ADSL Router com cerca de 8 ou 9 anos. Segundo este “técnico” o problema era que a modelação do sinal ADSL usada pela Clix era diferente do da ONI e se calhar tinham alterado a modelação da minha linha no processo de migração de clientes ONI para a Clix (isto porque a ONI vendeu a carteira de clientes domésticos à Clix). Eu poderia engolir esta desculpa se o serviço não voltasse durante 5 minutos por dia. E se o sinal não estivesse sincrono, só falhando sempre a autenticação PPP(oE neste caso).

    A solução que me deram era enviarem-me um router novo, algo que aceitei. Mas o problema é que o router não chegou e teoricamente já o mandaram há duas semanas.

    Claro que já farto de tanta incompetência, já enviei no principio desta semana os papeis para adesão à Vodafone, que tratam da papelada de rescisão com a ONI.

    Uma pessoa só nota a falta que nos faz uma coisa (ou pessoa) quando esta não está connosco, e acreditem que para mim não ter ligação à Internet em casa é mau e não só em termos lúdicos como também académicos.

    Se depois de a Vodafone fazer os testes da linha esta tiver problemas (coisa que duvido) então meterei NetCabo. Algo que não me agrada muito, mas seria a única solução. Esta semana já me ligaram o serviço de TVCabo cá em casa, serviço que me agradou bastante. Dois dias úteis e cá estavam eles a fazer a instalação.

    Não percam o próximo episódio, porque nós também não…

    Update:

    Como podem ver no log do meu router apresentado de seguida, ele consegue fazer a ligação PPPoE, mas esta dura entre 1 segundo e 5 minutos, dependendo da situação.

    03/15/2008 18:26:15, CIP: Connection teardown initiated from this end on interface atm:1/vc:16

    03/15/2008 18:26:15, CIP: The connection on if atm:1/vc:16 was dropped for 3ComRouter

    03/15/2008 18:26:16, CIP: Sent a connect request to the driver for 3ComRouter @ (null) on interface atm:1

    03/15/2008 18:26:16, CIP: Outgoing connection succeeded on interface atm:1

    03/15/2008 18:26:16, CIP: The outgoing connection has been established on if atm:1/vc:16

    03/15/2008 18:26:16, PPP: Authentication Complete to 3ComRouter.

    03/15/2008 18:26:17, PPP: IP link UP to 3ComRouter 194.79.94.9.

    03/15/2008 18:26:17, Local IP Address (89.180.33.10) was configured.

    03/15/2008 18:26:17, PPP: IP link UP to 3ComRouter DNS1 195.23.129.126.

    03/15/2008 18:26:17, PPP: IP link UP to 3ComRouter DNS2 194.79.69.222.

    03/15/2008 18:26:17, PPP: Unexpected (IPCP) Layer DOWN, Restarting Link 19, to 3ComRouter.

    03/15/2008 18:26:17, PPP: Connection DOWN to 3ComRouter.

    03/15/2008 18:26:17, CIP: Connection teardown initiated from this end on interface atm:1/vc:16

    03/15/2008 18:26:17, CIP: The connection on if atm:1/vc:16 was dropped for 3ComRouter

    Apresentação do Prof. Andrew Tanenbaum: Minix 3

    Março 13, 2008

    Como escrevi no post sobre a Sinfo, o Prof. Andrew Tanenbaum fez uma apresentação sobre o MINIX 3. Estava para não poder comparecer à conferencia dado que tinha uma aula importante no mesmo horário, mas sendo a cadeira de um dos tópicos lecionados pelo Prof. Tanenbaum o professor decidiu adiar a aula para que fosse-mos todos assistir ao evento. E ainda bem que fui, dado que foi deveras interessante e agradável de acompanhar.

    O MINIX é um sistema operativo criado no meio académico desenhado para ser fiável, flexível e seguro. Baseia-se no conceito de Micro-Kernel e todo o sistema corre em user-mode, isto é, os drivers por exemplo não têm acesso ao Kernel, o que faz que se um driver crashar o sistema operativo não entre em kernel panic, simplesmente reinicia o driver.

    Gostei bastante da apresentação, e os meus colegas de curso da organização do evento disseram que a apresentação iria ser disponibilizada em video brevemente.